terça-feira, janeiro 31, 2012

Entrevista com Schloesser



Conheci o Eduardo ano passado, numa visita que ele fez a São Paulo. Mais precisamente na Livraria HQ Mix. Não era lançamento de álbum, nada. Apenas o prazer de conhecer um artista.  Como a maioria das pessoas que lidam de alguma forma com arte, sou meio introspectivo e tímido, mas na altura do campeonato, tenho aprendido um pouco a vencer essa inércia do anonimato... É importante lembrar que artistas são pessoas como eu e você, diferentes um pouco, é claro. Mas quebrar o gelo sempre traz bons dividendos. Batemos um papo, levei alguns livros dele para autografar e de quebra praticamente ganhei  um álbum do "Zé Gatão" (o 1°, independente - Paguei um valor simbólico) pelas mãos generosas do Gualberto e do Eduardo.
   Hoje no Facebook encontrei essa entrevista do Eduardo concedida ao Zine Brasil, da Michelle Ramos, e achei bacana linká-la AQUI.  Boa Leitura!

5 comentários:

Anônimo disse...

Comparo o Schloesser à banda canadense Rush, extremamente técnico, competente, ousado mas ainda muito subestimado.
Aqui no Brasil, ainda nos apegamos muitos a modismos, infelizmente. A onda atual é idolatrar artistas que fazem trabalhos autorais no mercado estrangeiro (nada contra, eles são muito bons) e como sempre ignorar muitos mestres das artes gráficas que lutam por seu espaço no mercado interno sem o devido reconhecimento, como o Laudo, Nestablo Neto, Samuel Casal e, claro, Schloesser com sua fabulosa criatura, Zé gatão.
Acho que isto não vai mudar nunca e muitos de nós, por não vermos divulgados tais artistas, saímos perdendo.
Muito legal sua postagem e a entrevista (com muito pé no chão) deste desenhista que um dia gostaria de conhecer.
Valdir S. ferreira.

Gilberto Queiroz disse...

Ôpa! Valeu, Valdir! Obrigado por prestigiar, ao blog e ao Eduardo. Ele merece. E modismos é mesmo a cara do Brasil atual. Mas desconfio que, no quesito quadrinhos, tenha sido sempre assim. Você desenha também? Têm Blog? Se tiver, manda o link aí, pra divulgar.
Abração,

Anônimo disse...

Nada, sou apenas um sessentão reacionário e fã do bom quadrinho, como os que faziam Eisner, Carl Barks (o mestre supremo) e o grande Moebius.
Seu blog é excelente.
Abração.
Valdir.

Gilberto Queiroz disse...

Que bacana! Grandes referências, Valdir! Eisner, Barks, Moebius. Tão clássicos e tão atuais! É isso aí.
Obrigado pelo elogio ao blog. Sua visita será sempre uma honra.
Abração,

João MP Junior disse...

Legal a matéria, o cara é fod. no desenho! Valeu continue a postar matérias assim!