quarta-feira, outubro 10, 2012

Matrix e sua filosofia



"Nenhuma religião, ou filosofia tem tantas semelhanças com o filme Matrix-I quanto o budismo. O principal ponto em comum é a idéia de samsara ou maya, segundo a qual as nossas vidas são uma grande ilusão montada pelo nossos próprios desejos. É como se todo o mundo fosse, como diz Morpheus, "uma projeção mental da sua personalidade". As pessoas estariam presas em um ciclo: elas tratam o que sentem como se fosse real e a ignorância de que aquilo é só uma ilusão as mantém presas a esse mundo. Nesta cena do filme, Neo encontra uma criança com trajes de monge budista que entorta uma colher com a mente. O segredo, diz ela, é saber que a colher não existe. Uma vez superada a ilusão, atinge-se o nirvana, um estado que as palavras não podem descrever, em que a noção de indivíduo se perde.
No budismo, aprendemos que Sidharta Gautama era um príncipe hinduísta que abandonou seu castelo, sua esposa e seu filho para descobrir a causa de tanto sofrimento. Meditou 7 dias embaixo de uma figueira tornando-se Buda, o Iluminado, e descobriu que a razão do sofrimento seria, resumidamente, o apego e o desejo. A solução budista está em cada pessoa descobrir a sua própria "não-existência".
Segundo o budismo, o homem simplesmente deve entender que não existe o "eu". As últimas palavras de Buda, aos oitenta anos e antes de morrer de desinteria, foram: "tudo é impermanente".


Texto retirado da postagem do vídeo no YouTube. Se você quiser, pode assistir direto  lá e ler os comentários e demais adendos.
Estou colocando esse vídeo para marcar o fato de ter assistido mais uma vez a Matrix. Já perdi a conta de quantas vezes assisti. Hoje iria ao cinema ver  "Looper - Assassinos do futuro", mas acabei me enrolando e resolvi rever Matrix. Vale sempre a pena. Vai entender. As continuações de Matrix não curto muito. Apesar de gostar tanto do filme, só fui vê-lo na TV, enquanto que as continuações vi no cinema mesmo.
Deixo também o link para o programa do Nerdcast sobre o Filme: "Matrix Repercutions". Clique AQUI e divirta-se.

2 comentários:

João MP Junior disse...

Todas as teorias são legítimas e não tem nenhuma importância. O que importa é o que você faz com elas!

Gilberto Queiroz disse...

Verdade, João! Você disse tudo. Obrigado pela visita e comentário. Grande abraço,