sexta-feira, novembro 30, 2012

Pessoas...


Comprei um caderninho menor, mais ou menos 10 x 15 cm, que deixa o observar e desenhar pessoas em público um pouco mais discreto. Hoje estreei essa nova fase de rabiscos observantes um pouco menos tímido. Esse cowboy foi fácil, apesar de rápido. Estava do outro lado da plataforma. O senhor dormindo também foi moleza. Mas antes desse senhor, fiz o perfil de um senhora (ficou bem parecido) e que, devido à minha inadequação (ou empolgação, pois conforme o desenho vai fluindo, começo a fazer caras e bocas de Leonardo da Vinci...) acabei sendo descoberto pela distinta modelo. Não titubeei, tirei a folhinha do caderno e estendi para a senhora. Ela olhou, meio sem saber o que dizer, mas depois sorriu, abriu a bolsa e guardou o desenho. E eu, no meu nervosismo nem assinei. Mas perde ela a chance de um dia ficar milionária com esse desenho, kkkk. Estações depois, ao sair do trem, ainda me agradeceu.

7 comentários:

ʞĿ | ʞ∆Lєβэ disse...

muito interessante a história por trás dos desenhos! =D

Gilberto Queiroz disse...

Valeu! Todo desenho pode ter uma história. Se começar a desenhar prestando atençâo às histórias, você pode se tornar um escritor gráfico! Grande abraço,

Eduardo Schloesser disse...

Sinceridade Gilberto? Tá muito bom isso! Fico prometendo a mim msmo que vou voltar a esses exercícios em breve e nunca consigo. Me tornei um destes que planejam muito e realizam nada, só trabalhando pra enriquecer milionário. Virei assim uma espécie de prisioneiro do sistema, como aquele anão que tranformava bosta de porco em energia no Mad Max 3, lembra?
Mas é legal ver que você está com todo gás para criar suas artes, saídas da alma, ainda que sejam modestos esboços dos coadjuvantes da vida. Sucesso e continue assim.

Gilberto Queiroz disse...

Obrigado, Eduardo! Que isso, rapaz! Você realiza, e muito. Também fico aqui me cobrando uma maior participação ativa na direção da minha vida artística...Mas nunca é tarde. Vamos forçar a sáida dessa roda chamada sistema. Mesmo que não consigamos totalmente, algum lucro (modo de dizer) haveremos de ter.
Faz tempo não vejo Mad Max, mas me lembro vagamente.
Abração e bom final de semana,

André Toma disse...

Que demais, Gil.
Gosto dos seus rabiscos... das suas histórias... gosto daqui.
Vc poderia pensar em um 'Memórias do Mercado Visual', hein?
Vc escreve bem e tem muita coisa pra contar. Um tipo diferente de artbook... cada desenho com sua história.

Continue aí.
Sucesso e inspiração sempre.

Grande abraço!

Gilberto Queiroz disse...

Ôpa! Valeu, André! Que bom que meu blog ainda é visitável, kkkk. Fico lisongeado. Gosto de escrever, embora a correria nem sempre permita preparar textos mais longos. Gostei da dica.
ótimo final de semana pra vc e família,

André Toma disse...

Ah, Gil. É claro que é. Eu, pelo menos, faço o possível pra dar uma passada mesmo que seja rápida.

Ê correria... Deixamos de fazer tantas coisas...
Mas vi no outro post que vc está cheio de planos... Boa sorte, cara.
Na verdade, acabamos sempre dando um jeito com a falta de tempo e corre corre, não?

Valeu por me acompanhar também.

Grande abraço!