domingo, maio 19, 2013

O Rei das Selvas


Um dos personagens clássicos favoritos de minha juventude. Fiz um breve rascunho e joguei uma Pigma Brush (caneta pincel) em cima. Para completar um pouco de experimentos em cor digital.
   Criado por Edgar Rice Burroughs primeiramente em forma de livros em 1913/14. Sim. Era literatura. O sucesso do livro trouxe a continuação de sua publicação em outros livros, no total 23 e ainda adaptações para o cinema. Contudo, as adaptações parecem nunca ter satisfeito o autor. Nas adaptações, Tarzan era insistentemente retratatado como pouco mais que um neandertal simiesco. Isso era exatamente o oposto do que imaginava Edgar, que via Tarzan como alguém nobre, inteligente, heróico, sensível e extremamente livre.
   Vieram é claro, as adaptações para quadrinhos. Um dos primeiros desenhistas foi Hal Foster, posteriormente criador de Principe Valente. Depois, Burne Hogart, Joe Kubert, Russ Manning e até John Buscema (uma série mais curta). No início saia em jornais, como aliás, eram os quadrinhos no início. Eu não sei exatamente como anda o personagem atualmente. Creio que deixou de ser publicado, mas como estou escrevendo por impulso, não fiz mesmo muita pesquisa. No Brasil a sua maior publicadora (ou a principal) foi a Ebal.. Tenho vários exemplares da década de 80, os cinco álbuns wide scream desenhados pelo Russ Manning. Clique AQUI para ver uma coletânea de imagens da arte desse grande desenhista. Uma arte limpa, clássica e dinâmica.
    Sei que muitos da nova geração nunca leram Tarzan, e entendo. O tempo mudou. O mundo mudou. A África não é mais aquele lugar misterioso e inatingível de outrora.
    Bom, deixo vocês por aqui, saudoso de uma época pródiga em grandes aventuras, grandes personagens, sagas completas em poucas edições e aventuras completas em uma única edição. Diversão garantida e inesquecível.
   Obrigado a todos pelas visitas e comentários.

2 comentários:

Eduardo Schloesser disse...

Personagem que junto com outro herói das selvas, The Phantom, fizeram minha alegria na infância. Curtia muito os quadrinho com Jesse Marsh. Tenho o livro do Burroughs ilustrado pelo Burne Hogarth.
Ótima postagem.

Gilberto Queiroz disse...

O Fantasma também fêz parte de minhas leituras. Aliás, até hoje, quando, vez ou outra, releio alguma revista que tenho. E esse livro com ilustras do Hogart deve ser demais. Infelizmente não tenho nada do Burne Hogart.
Assim que me equilibra mais, seria uma boa pedida correr atrás de edições assim, pensar um pouco mais como colecionador. E assim resgatar um pouco dessas alegrias que todos tinhamos, não é mesmo, Eduardo?
Um grande abraço e bom domingo.