segunda-feira, junho 24, 2013

Revoltante...






O amigo Carlos Henry, (CRIADOR DO “LOBO-GUARÁ”,”CITY OF DREAMS” E EDITOR DO SELO “EXCELSIOR”) têm divulgado no Facebook,  a infeliz experiência por que passou no início do ano. Falo de sua participação no evento "2° Brasil-Sul Comic-Con". Segundo ele: " Fomos convidados pelo curador Leonardo Albuquerque.
Este “evento”, de tão precário, é uma vergonha e nem pode ser considerado no meio de outros das HQs. Nós 3 (Denílson,Fernando e eu) passamos o “pão que o Diabo amassou”, de tanto descaso, tanto para conosco, tanto para o público."

Meu blog geralmente é utilizado para mostrar um pouco dos meus rabiscos, deixar dicas interessantes da área artística para meus visitantes e etc...  O motivo da postagem atual é dar uma força para o Carlos Henry e demais participantes do evento. Até hoje não foram pagos, apesar das promessas feitas pelo organizador Leonardo Albuquerque. Ninguém gosta de ter seus pertences roubados e é exatamente isso que acontece quando alguém contrata algum serviço com você e depois não lhe paga. Além de roubar seu esforço, rouba seu tempo, que poderia ser empregado de forma mais utilitária. Aliás, tempo é o bem mais valioso de um artista. Matéria prima de nossos estudos e criações, se não o valorizamos bem, não chegamos a lugar algum. E depois, há aquele conhecido ditado: "O combinado não é caro".

A Cris Peter  (COLORISTA DA MARVEL COMICS) também foi enganada e deixou um depoimento que acho importantíssimo para quem presta serviço ou vai participar de algum evento. Segue:

"Muitas são as pessoas que podem lhe oferecer convites para palestrar ou participar de eventos, e até mesmo lhe oferecem um cachê para que participes. Mas como acreditar, ou pressentir que na verdade esse convite não deve ser aceito? Como saber se o tal evento citado não será um vínculo desvantajoso? Como saber se não irão lhe passar a perna?
Venho aqui contar uma "historinha" e espero que seus detalhes ajudem todos a detectar uma furada.
Fui convidada para um tal "evento". Tudo nele me cheirou a furada desde o princípio. Mas mesmo assim quis dar o benefício da dúvida, infelizmente meu primeiro instinto estava mais do que correto. O evento foi amador, desorganizado e o meu prometido cachê não foi e nem será pago.
Eis as dicas que recebi de que o evento não era bem organizado:
- Dica número um: Ao ser convidada recebi um panfleto extremamente amador em material copiado a xerox amassado (o que acaba denotando falta de capricho do organizador).
- Dica número dois: Ao explicar que teria de cobrar um cachê, recebi uma resposta positiva e rápida demais. O organizador não tentou ao menos negociar os valores. Sabemos que quem precisa administrar uma verba em um evento não pode dizer sim a qualquer exigência de convidado.
- Dica número três: a poucos dias do evento, o organizador me comunica que terei DUAS participações no evento. Sendo que meu cachê anteriormente combinado era para somente UMA participação. Como estava ocupada com meu trabalho, não pude discutir esse detalhe com ele e deixei por isso mesmo.
- Dica número quatro: Ao chegar ao local na data do evento para entregar meu material de exposição, nada estava montado ainda. Deixei meu material e expliquei como deveria ser exposto, pois possuía uma ordem. O organizador nítidamente não prestou atenção nas minhas instruções.
- Dica número cinco: A tal vernisage de abertura do evento não começou no horário determinado. Quando cheguei ao local, a montagem do evento estava amadora e não encontrei ninguém da organização. Ao ver meus trabalhos na exposição, eles estavam expostos na ordem errada. Neste momento, eu aceitei que aquele evento era uma furada e que eu não seria paga.
- Dica número seis: Mesmo depois disso apareci nas duas palestras que participaria. Tenho minha palavra, e iria cumprí-la. Durante as minhas duas palestras (vazias) o organizador ficou abordando pessoas que passavam pelo local tentando convencê-las a assistirem. Foi bastante desagradável.
Enfim, no final da história, o organizador inventou uma historinha de que ele estava no meio de um processo judicial para conseguir verba para pagar os cachês, mas eu já tinha aceitado que não receberia nada. Óbviamente não irei aceitar mais nenhum convite dessa mesma pessoa.
Eu recebi todos os sinais, fui em direção a parede sabendo que ela estava se aproximando e mesmo assim não desviei. Tive boa fé, e isso não é um erro. Não perdi tanto tempo, não tive de viajar e conheci algumas pessoas legais.
A verdade é que é sempre importante averiguarmos o evento antes de aceitarmos um convite. Hoje, com o Facebook, podemos verificar os amigos que temos em comum com os organizadores para termos certeza de que não se trata de algum amador. Normalmente eventos com porte suficiente para pagar cachê tem site na internet e informações para serem investigadas pelo Google.
Acontece, infelizmente. Mas quem deve se sentir mal com isso sou eu por não ter sido paga, ou o organizador do evento por ter caloteado todo mundo?"

Alex Doepre, Carlos Henry e Denilson Reis

Carlos Henry e Cris Peter


Fernando Damasio, Professor Athos e Carlos Henry

Leonardo Albuquerque

















Para ver a história completa narrada pelo Carlos no Facebook, deixo o link AQUI .
Sem condenações prévias, espero que tudo se resolva e justiça seja feita aos artistas participantes. Se quiser ajudá-los a resolver a situação ou ao menos ajudar o mundo das Hqs no caminho de um maior profissionalismo, repasse esta postagem aos amigos e ou leitores de seu blog ou página social.
Ótima semana a todos e obrigado pelas visitas e comentários.


   



Nenhum comentário: