terça-feira, agosto 06, 2013

Limpando o traço...

Página 1.



















Página 2.




















Página 3.


















HQ curta de Rynaldo Papoy, que estou finalizando no momento. Tento desesperadamente limpar meu traço e deixá-lo seguro para que outra pessoa artefinalize, regra necessária se a pessoa quiser pegar trabalhos agenciados ou mesmo dividir seu trabalho com outra pessoa. Eu fico meio perdido na etapa da arte final por deixar o lápis com poucas indicações de sombras e detalhes, ora muito pobre, ora muito sujo.
Esse acabamento dá trabalho mas o efeito compensa. Deixar o menos possível margem de erro para o artefinalista é uma boa coisa...
Em tempo. Esta HQ é curtíssima, apenas 7 páginas; por isso não postarei mais nada dela até estar pronta.
Obrigado a todos pelas visitas e comentários. Abração...

2 comentários:

Eduardo Schloesser disse...

Como sempre finalizei meus trampos, nem sei como deixaria o traço para outro passar a tinta, penso que quanto mais limpo for o desenho, melhor. Ou não?

Gilberto Queiroz disse...

Acho que é por aí, Eduardo. Já vi algumas páginas a lápis que dava vontade de chorar de tão definida. Era pegar e baixar o pincel ou caneta, sem hesitar. Mas é difícil. A gente começa , rabisca, rabisca, passa a limpo, vai definindo melhor, mas dá muito trabalho. Uma vez lá na Quanta, vi uma página original do John Byrne. Bem largada, nada definido, deixando tudo em aberto para o artefinalista. Se o cara tiver pra´tica e estilo, faz maravilhas. Se não, fica perdido...
Mas os originais da maioria dos que desenham para o mercado americano são bem definidos e limpos mesmo...
Grande abraço e vamos em frente.