quinta-feira, março 13, 2014

Jayme Leão

Esse vídeo, apesar de interessante, traz uma nota triste para quem curtiu a Coleção Vagalume, da Editora Ática. O capista de muitos livros dessa coleção que marcou a juventude de muitos, inclusive eu, Jayme Leão, faleceu nesta segunda-feira. Eu na verdade não o conhecia. Conhecia apenas seu trabalho (ou uma parte dele). É muito triste ver o quão rápida é a vida humana. Artistas, sempre penso, deveriam viver muito mais tempo, em virtude de toda a busca diferenciada que fazem dos porquês da vida. Mas, ainda que sendo uma vida rápida, quantos não realizam coisas inacreditáveis em qualidade e quantidade!
   Bom, o vídeo mostra um pouco do processo de se trabalhar com jornalismo e cartum sindicalizado numa época anterior ao Computador. É de 2011 e nele aparece o diagramador Ari Normanha e o Laerte, além é claro do Jayme Leão. Vale a pena dar uma olhadinha...
O canal do You Tube de onde retirei esse vídeo (resistir é preciso) você acessa clicando AQUI
Obrigado a todos pelas visitas e comentários.

2 comentários:

Eduardo Schloesser disse...

É triste mesmo, Gilberto, quando alguém tão talentoso como o Jaime Leão parte para sempre.
Um artista, mesmo velho, deixa uma lacuna impossível de ser tapada, e eu diria, que quanto mais idoso, melhor, pois esse gênero de criador, assim como o vinho, tende a ser mais maduro com o passar dos anos (bem, nem sempre, pra falar a verdade).

Tenho uma história absurda pra contar, quando certa vez em São Paulo, tive problemas com um editor de arte envolvendo o Jaime Leão, quer dizer, o nome dele, pois nunca o encontrei pessoalmente.
Se um dia nos encontrarmos de novo face to face, eu te conto.
Uma abração.

Gilberto Queiroz disse...

Isso mesmo, Eduardo! Ninguém é insubstituível,porém artistas realmente deixam lacunas.
Quanto à "história absurda", vou cobrar que me conte na oportunidade que tivermos.
Grande abraço!